VOOS LIGAM LUANDA E KIGALI NO FIM DO PRIMEIRO SEMESTRE DESTE ANO

Chefes de Estado responderam às questões dos jornalistas em conferência de imprensa

João Lourenço e Paul Kagame definiram como áreas de interesse na cooperação a Agricultura, Turismo, Tecnologias de Informação e Comunicação e Segurança

As ligações directas entre as capitais de Angola e Rwanda, a cargo das companhias aéreas dos dois países, iniciam no decorrer do primeiro semestre deste ano, anunciou ontem, em Luanda, o Presidente da República, João Lourenço.
Em declarações à imprensa, no final da visita de dois dias que o Presidente de Rwanda, Paul Kagame, efectuou a Angola, João Lourenço garantiu que os Governos dos dois países estão a trabalhar no sentido de as duas companhias aéreas(TAAG e RwandAir) estabelecerem a ligação entre as duas capitais.
Os Governos dos dois países assinaram em Maio do ano passado, em Kigali, o acordo no domínio da aviação civil, para o estabelecimento de ligações aéreas directas.
Nos termos do acordo, rubricado pelo então ministro dos Transportes de Angola, Augusto Tomás, e o ministro de Estado e dos Transportes do Rwanda, Jean de Dieu Uwihanganye, os voos entre os dois países terão inicialmente sete frequências semanais, a cargo da TAAG (Angola) e da RwandAir (Rwanda), companhias aéreas designadas por ambos os Estados.
Nas conversações que tiveram, na quarta-feira, João Lourenço e Paul Kagame definiram como áreas de interesse na cooperação entre Angola e Rwanda a Agricultura, Turismo, Tecnologias de Informação e Comunicação e Segurança. O Presidente João Lourenço lembrou que o Rwanda tem a sua representação diplomática em funcionamento em Luanda, há já algum tempo, enquanto Angola apenas o tem desde o ano passado.
O Chefe de Estado considerou a abertura da Embaixada de Angola em Kigali um “importante passo” que vai facilitar a intenção existente entre os dois países de reforço dos laços de amizade e cooperação.
Segundo João Lourenço, os dois Estadistas fizeram consultas mútuas em relação à situação geral reinante nas duas regiões, quer na região dos Grandes Lagos, onde o Rwanda se situa, quer na África Austral, onde Angola está. “Pensamos que esta troca de pontos de vista sobre o que se passa nas nossas duas regiões foi bastante frutífera e vamos continar daqui para frente a trabalhar para que a cooperação entre os nossos países seja uma realidade”, sublinhou.
O Chefe de Estado reafirmou que Angola dá uma “grande importância às relações de amizade e cooperação com os países” do continente africano.
“A cooperação com os países africanos é uma das nossas prioridades”, salientou. O Presidente João Lourenço disse que Angola vai “colher boas experiências do Rwanda em todos os domínios, ali onde existirem.”
Cooperação alargada
O Presidente do Rwanda, Paul Kagame, disse que o seu país está aberto a cooperar com Angola em toda as áreas.
Paul Kagame afirmou que “há coisas” que o Rwanda pode aprender de Angola e também Angola colher onde seu país teve progresso.
Questionado sobre uma alegada excessiva concentração de poder no Rwanda, Paul Kagame disse que cada país tem problemas específicos e que cada um devia saber como gerir esses problemas.
“Se o povo decidiu atribuir um determinado nível de poderes ao seu Presidente, isto é uma questão só deles”, salientou, considerando normal que isso fosse questionado por algumas pessoas.
No mês passado, os dois países assinaram, em Luanda, um acordo de cooperação em matéria de Segurança e Ordem Pública.
O acordo assinado prevê a formação de agentes de segurança de outros países da região nos dois Estados, como forma de contribuir para a paz e estabilidade nos Grandes Lagos, onde Angola tem assumido um papel de liderança, bastante aplaudido pela comunidade internacional.
Angola e o Rwanda são membros da Conferência Internacional sobre as Região dos Grandes Lagos (CIRGL), plataforma que tem servido para a promoção da paz e segurança na sub-região.

Fonseca Bengui, 21 Março de 2019

0